corsário 7.0 - revista e editora

A corsário nasce na internet em 2006 com o objetivo de realizar a ditribuição livre de literatura pela internet. A corsário é uma revista de literatura, literatura e afins, literatura e adjacências, literatura e transversalidade: literatura e poesia.

antecedentes

A corsário tem como antecedentes o grupo parafernália, um grupo de arte e poesia que movimentou a cena de Fortaleza - Ceará nos fim dos anos 90 que tinha como participantes: Mardônio França, Nuno Gonçalves, Ayla Andrade, Uirá dos Reis, Gleizer Freitas entre outros. A parafernália era um coletivo experimental que fazia colagens, fanzines, poemas computacionais e performance multivariada.

A revista parafernália, na internet foi uma publicação interessada em contribuir para “deglutinar o espaço libertário e global” e se rebelar contra o “marasmo intelectual em que a sociedade moderna convive”. A revista não tinha periodicidade definida e acreditava que a arte não pode ter deadline – não pretendia criar mitos, movimentos ou rebeldias, lançava no ventilador uma série de recortes, desvarias e convulsões.

sobre a parafernália veja mais em :
- Maldito.com por Heloisa Buarque de Hollanda
- Contracultura por Lu Lemasson
- parafernália por Raquel Gonçalves

conceito

A corsário surge na estrada da liberdade, tem como conceito a ideia de distribuir livremente a literatura como aparece no livro Serafim Ponte Grande de Oswald de Andrade de 1933: Direito de ser traduzido, reproduzido e deformado em todas as línguas.

Em 2006, diversos movimentos na indústria de desenvolvimento de softwares definem políticas de distribuição livre de código fonte como a gnu, apache etc e em paralelo começa a surgir movimentos como o copyleft e o creative commons, na área artística - autoral. Todos esses movimentos apontam para a liberdade e distribuição da criação.

É neste ambiente de colaboração e de experimentação e descoberta que emerge a corsário.